sábado, 17 de setembro de 2016

AGoulart

AGoulart 
(por Silvio Arruée)

Angela Goulart é artista plástica e fundadora da Associação Projeto Simbiose, que tem como finalidade a divulgação de todas as vertentes da Arte; incentivo a  leitura, e da cultura de um modo geral.
Desde a década de 80 produz a série “Poemas Postais” interpretando poemas e crônicas, de autores capixabas conhecidos pelo grande público ou não, com desenhos em nanquim. 
Angela Goulart  participou de inúmeras exposições no Espírito Santo em espaços alternativos numa busca incessante em levar a arte não apenas a frequentadores de galerias mas ao público em geral. 
Esse ano, AGoulart vem com nova proposta e, cria o livro artesanal “Poemas para Colorir, Desenhos para Rimar”. Essa ideia foi inspirada no livro de Johanna Basford, “Enchanted Florest” e, lançado no Brasil por algumas editoras, como livro para  colorir para desestressar adultos.
Nessa exposição proposta, os Poemas Postais, serão unidos em numero de vinte a 30, por blider clips, ou encadernados com espiral; prontos para serem coloridos, transformando-se em um livro artesanal. 
A opção do blinder clips poderá ser  feita para não danificar os desenhos com a encadernação tradicional; podendo assim ser emoldurados após coloridos.
Importante mencionar que os livros artesanais são únicos, ou seja, não existem desenhos repetidos, onde cada livro é um exemplar único.
A proposta vai mais além, pois além de apresentar o livro artesanal, traz poemas sem desenhos e desenhos sem poemas, na tentativa de interagir com o publica, de forma que cada um desenhe ou escreva durante o evento.
AGoulart traz poemas de autores e o pensamento vivo de artistas de várias vertentes das artes. São eles: Cláudia Colares (Artista Plástica), Geraldo Magela (músico), Ricardo Lemos (escritor e músico), Rogério Leoni (escritor), Wilson Coelho (escritor e teatrólogo), Paulo Stuck Moraes (escritor), Eliane Auer (escritora), Andra Valladares (escritora) entre outros. E a homenagem a Miguel Marvilla.



AGoulart escreve poemas:


Sou Cecília
Serena, assovio a canção de outono
Faço serenata a lua adversa que tanto brilha aqui.
Lua,  personagem e motivo dessa despedida,
Porque, não: já não falo de ti.
Motivo: me vi mulher no espelho.  Espelho cego!
O mundo dos homens me envolve
E me pergunto: até quando terás, minha alma, esta doçura.
Pergunto-te onde se acha a minha vida.
Ó meu Deus, todos acorram tristes
Conheço a residência da dor
Entre gargalhadas e a leveza
Contemplo com humildade a beleza da flor jogada ao rio
Minha herança é o amor
abraço um sonho antigo e a arte de ser feliz
"Aprendi com a primavera; a deixar-me cortar e voltar sempre inteira.".
Assim, alguns dias caminho completa.
Em outros sou apenas ilha
Sou sonhadora, sou poeta
Sou Meireles, sou Cecília.

8 é de Março
Meu dia não é só hoje; abra espaço e me dê passagem.
Vou te contar minha saga; sente-se e prepare-se para essa viagem.
Atravessei fronteiras, corri, fugi, lutei para fazer minha historia.
Ganhei pedras, inveja e desrespeito. 
E como castigo, eu tive fogueiras, calúnias e preconceito.
Recebi dos homens a maldade, ferro, fogo, correntes, traição e agonia.
O dedo em riste acusador da sociedade cruel e vazia.
E mesmo atada, presa e amordaçada, cresci, estudei e reagi
Hoje sou emancipada! 
Entrei em locais proibidos, tive filhos, diplomas e maridos
Aprendi a ler, votei, ganhei o mercado de trabalho e o seu respeito
Aceite o fato: Consegui, vou mais além e agora não tem mais jeito.
Libertei-me do ócio e aceitei-me forte do jeito que sou
Ganhei o direito ao divórcio e adultério não é mais crime.
Você amante infiel, 
Já pode chegar mais tarde
E não me agrida, pois se agora sou vítima. 
Amanhã não temerei ser réu.
Comemore comigo meu dia.
Venci, essa é a verdade.
Não luto apenas por mim e sim pelos direitos de todos
Luto pelo direito à justiça para a humanidade
Meu dia não é só hoje.
Conquistei definitivamente meu espaço
Meu dia é todo o dia
Mas 8 ainda é de Março.



Conheça mais sobre AGoulart no Facebook